quarta-feira, abril 20, 2016

Guilty Crown

(Coroa da Culpa)


Ficha Técnica
Anime
  • 22 episódios.
  • Estreou em Outubro de 2011 pela Production I.G.
  • Dirigido por Tetsuro Araki.
  • A primeira música de abertura é “My Dearest”, interpretada por Koeda. A primeira música de encerramento é “Departures (Anata ni Okuru Ai no Uta)” por Egoist, uma banda ficcional do anime. A segunda música de abertura é “The Everlasting Guilty Crown”, por Egoist e a música de encerramento é “Kokuhaku”, por Supercell.
  • Depois do anime, vieram o mangá (Novembro de 2011 pela Monthly Shōnen Gangan) e o jogo (2012 pela Nitroplus).
Fonte: Wikipedia
Esse shounen (ou seria senien? Eu nunca sei como classificar esses animes) é muito parecido com Code Geass, mas muito mesmo!


A história se passa em um Japão pós-ataque biológico, um evento conhecido como Lost Christmas. O personagem principal, Ouma Shu, aparentemente um menino comum vivendo sua vida, encontra Yuzuriha Inori  fugindo de uma equipe do exército (algo parecido com as tropas da ONU que controlam o Japão). Ele a ajuda e acaba usando o que ela tinha roubado, algo que lhe concede o poder de retirar da alma de outras pessoas armas.

Por conta de Inori, Shu acaba se envolvendo com um grupo de “rebeldes” que querem libertar o Japão do controle da GHQ (a tal da ONU). E esse é o plot do anime.

Abertura 01

Obvio que Shu não é um cara qualquer, obvio que Inori não é só mais uma rebelde... O anime envolve um jogo político-militar e é cheio de segredos. Sim, e isso tudo lembra muito mesmo Code Geass. Mas um fator muda tudo: Shu não é o Lelouch.

Shu não tem um grande espírito de liderança no início, ele não tem a sagacidade do Lelouch e chega a ser ingênuo e manipulável. Mas isso não estraga o anime, só o torna diferente.

Há lutas de mechas, guerrilha, sobrevivência, ditadura...


Como eu não gosto de entregar a surpresa aos meus não-leitores (já que ninguém deve estar lendo mesmo), eu não vou mais falar da história. Vamos para as minhas considerações.

Eu gostei bastante de Guilty Crown. Não supera Code Geass, na minha opinião, mas é um excelente anime de qualquer forma.

Encerramento 01

O traço é caprichado e cheio de detalhes. Há muita computação gráfica, mas de uma forma bonita. As lutas são muito bem desenvolvidas e os personagens tem histórias próprias. Mas tem uma coisa que eu não curti: as roupas das garotas. Sim, vou falar sobre isso.

Questões sexuais não são abordadas neste anime, embora haja algum romance na história, nada que chegue à um beijo se quer. Mas todas as personagens femininas são sexualizadas de alguma forma. Isso não acrescenta nada ao enredo, não há motivo para essas roupas e nem mesmo para as cenas forçadas em que algo sugere a sexualização. Acho que esse tema precisa ser debatido dentro do universo dos animes para que seja melhor trabalhado na criação dos personagens e das séries. Não sou contra o sexo em animes, desde que faça sentido para a história e não seja jogado lá apenas como fanservice.


Esse é um tema que merece um post próprio, porque sim, vou falar de feminismo aqui também!

Críticas dadas, Guilty Crown é um excelente anime que poderia ter dado mais certo do que deu.


Nenhum comentário:

Postar um comentário